Não se desespere!, de Mário Sérgio Cortella

Eu sempre via o filósofo e escritor Mário Sérgio Cortella nos programas de TV. Sempre me interessei pela fala dele, pela sua paixão pela língua, pela sua dicção, pela, enfim, imensa bagagem cultural. Mas só recentemente fui buscar entrevistas e palestras no you tube e, aí, sim, me tornei fã com certificado.

msc

No momento só penso em ler o professor Cortella. Minha mãe me deu de amigo secreto um dos livros dele, o “Não se desespere! – Provocações filosóficas”, editora Vozes, 2013, que abrange em pequenos capítulos diversos assuntos, como escola, amor, violência, política, morte, arte, religião, etc. Como vi muitas entrevistas e palestras, o livro apenas trouxe em texto impresso aquilo que já tinha ouvido. O que não deixou de ser ótimo, claro!

Esta obra de Cortella é apenas uma introdução, não um discussão aprofundada sobre os temas listados acima. É um ponto de partida para os outros livros dele e até livros de outros autores, como o muito citado educador Paulo Freire.

Indico fortemente este livro porque filosofia não é algo de gênios sentados no cume da montanha refletindo sobre metafísica ou criando teorias  inalcançáveis aos mortais. Filosofia é vida diária, tangível, e necessária para vivermos melhor. Este livro em especial é muito direto, simples, pop no melhor sentido.

Não vou colocar um link de entrrevista ou palestra aqui. Apenas peço que “percam tempo” e procurem Cortella no you tube. Ele tem muito a dizer, muito a ensinar, e pode, com seu discurso instigante e apaixonado, mudar algo em você. Mudar para melhor.

Dado o recado!!!

Anúncios

Discos ouvidos!

Faz tempo que o Vinil não é atualizado, não é? Caramba, o artesanato, a pintura em tela e o trabalho do dia a dia têm me deixado muito ocupado. Sim, tenho atualizado o Ateliê Caldas Pina, onde coloco meus trabalhos manuais.

Nessas últimas semanas ouvi muitos discos e gostaria de relacionar aqui. Não farei grande análise de nenhum, mas talvez vocês tenham interesse em ouvir algum deles. Colocarei apenas os nacionais, já que não ouvi nenhum internacional recente que tenha me deixado louco.

O que indico a vocês de música internacional é o novo clipe de Bob Dylan, que é genial. A música é a linda Like A Rolling Stone, que ganhou um vídeo à sua altura em comemoração à nova coletânea do mestre. O clipe é uma experiência muito interessante. Não vou contar mais nada. É só clicar aí embaixo e assumir o controle, literalmente!

http://youtu.be/1hgaK6jMTUY

Discos Nacionais ouvidos e algumas palavras sobre cada um:

Amo Lô Borges e esperei muito para ouvir o seu álbum novo. Poxa, não gostei, Lô. Perdão! Ainda fico com seu anterior!

Amo Lô Borges e esperei muito para ouvir o seu álbum novo. Poxa, não gostei, Lô. Perdão! Ainda fico com seu anterior!

Disquinho legalzinho. E só.

Disquinho legalzinho. E só.

Lulu é fera! Vamos esquecer sua afetação. Ele fez releituras boas de Roberto carlos. Olha, eu gostei.

Lulu é fera! Vamos esquecer sua afetação de vez em quando. Ele fez releituras boas de Roberto Carlos. Olha, eu gostei.

Arnaldo é fera! É único! Sua voz é por vezes terrível, mas funciona bem para as suas músicas. Gostei muito!

Arnaldo é fera! É único! Sua voz é por vezes terrível, mas funciona bem para as suas músicas. Gostei muito!

Uma velharia no melhor sentido. Amo Beto Guedes. Sempre me sinto muito bem em ouvir seus álbuns e este é lindo!

Uma velharia no melhor sentido. Amo beto Guedes. Sempre me sinto muito bem em ouvir seus álbuns e este é lindo!

Eu tenho dificuldade para dormir certar noite. Nessas noites insones, recorro ao disco de Clarice e dormirei feito um bebê! Poxa, chato!

Eu tenho dificuldade para dormir certas noites. Nessas noites insones, vou recorrer ao disco de Clarice e dormirei feito um bebê! Poxa, chato!

Gosto de Céu mesmo, mas ainda sou mais fã do primeiro disco dela. Gostei.

Gosto de Céu mesmo, mas ainda sou mais fã do primeiro disco dela. Gostei.

Um disco que não me chamou atenção. Prefiro o Amarante na pegada do Los Hermanos, com certa melancolia, mas com força também.

Um disco que não me chamou atenção. Prefiro o Amarante na pegada do Los Hermanos, com certa melancolia, mas com força também.

Como um disco desses é ignorado pelas rádios? Ótimo!

Como um disco desses é ignorado pelas rádios? Ótimo!