Videocast #1 – Biblioteca Comentada

Pessoal, resolvi fazer um videocast comentando minha humilde biblioteca, ou melhor dizendo, meu armário de livros. Vi em alguns blogs interessantes e resolvi fazer também. Acho legal esse tipo de post porque conheci novos livros, ouvi comentários estimulantes e quem ama livros gosta de saber o que os outros andam lendo. Tomara que eu possa fazer com vocês o que os videocasts de outros sites me fizeram.

Só quero informar que tentei fazer um vídeo curto, mas não teve jeito, acabou tendo quase 39 minutos divididos em duas partes. Então, quem quiser se aventurar fique à vontade. Durante a gravação eu erro mesmo, esqueço de comentar alguns livros que estão nas prateleiras. Eu acho que não sou narcisista, já que não citei os dois livro que participei. Um, com uma poesia e o outro com um prefácio. Esqueci, também, de mostrar a biografia do R.E.M., a minha banda predileta, que teve seu fim decretado, além de outros vacilos. Espero, também que não liguem para a qualidade de imagem. Aos poucos vou aperfeiçoando, inclusive a maneira de comentar os livros.

Eu fiz tudo de primeira, não editei o vídeo e saiu assim mesmo! Quando chego nas últimas prateleiras dou uma acelerada, porque o horário de minha filha chegar da escola estava se aproximando (o que fazer?). Aí corri com os comentários e com certeza deixei de dizer muitas coisas. Mas é isso, o vídeo já estava grande demais.

Espero que tirem algum proveito, comentem, perguntem, e façam também um post assim. Quero muito ver onde os “filhos” de vocês dormem!

Como eu não consegui inserir os vídeos, peço encarecidamente que cliquem aqui para ver as duas partes. 

Três blogs excelentes sobre literatura e outros assuntos, além de vários canais literários interessantes. As garotas possuem canais no you tube onde comentam suas leituras, dão dicas etc. Abaixo os links dos blogs e dos canais. Vale a pena, viu, pessoal?

O batom de Clarice, de Juliana Gervason (aqui o canal)

TINY little ThInGs, de Tatiana Feltrin (aqui o canal)

Quero morar em uma livraria, de Lia (Lia não tem canal)

Outros canais interessantes:

JotaPluftz:
http://www.youtube.com/user/JotaPluftz

Luara:
http://www.youtube.com/user/luarafranca

EntreClássicos:
http://www.youtube.com/user/entreclassicos

MVL:
http://www.youtube.com/user/MVLMarina

LiFinalmente:
http://www.youtube.com/user/LiFinalmente

Mariana:
http://www.youtube.com/user/mmmmmmariana

Abraços e beijos em todos!

Anúncios

Abaporu

Essa reprodução de ‘Abaporu’ (1928), de Tarsila do Amaral, foi feita para dar de presente. É uma obra do modernismo muito importante. Não foi nada fácil tentar reproduzir essa obra, a despeito de ser aparentemente fácil. Pelo menos não foi tão fácil para mim!

Fiz com tinta acrílica, o que me trouxe alguma dificuldade (a original é a óleo). Quem pinta ou mesmo quem já pintou com tinta acrílica alguma vez, sabe que ela seca muito rápido por ser à base de água, ao contrário da tinta óleo. Então, se você erra a ponto de deixar a tinta muito grossa, não é possível tirar, a não ser que você seja rápido e não deixe o pigmento secar. Com minha pouca experiência (cerca de três meses) foi o que pude perceber. No fim das contas o presenteado gostou e cheguei a um resultado que me satisfez!

A original mede 85 cm x 73 cm; a minha está em uma tela de 50 cm x 40 cm.

Máscaras

Mais uma tela em acrílico. Chama-se ‘Máscaras’, 40 cm x 50 cm.

Quis dar um ar envelhecido, sujo, e metálico. Por isso utilizei as cores cobre iridescente, prata iridescente, branco iridescente (que fica meio prateado), além do sépia, preto e vermelho.

Criolo, Karina Buhr e Pitty

Confesso que estou sem saco para analisar esses três discos abaixo. Vou tentar ser poético e sintetizar as emoções em poucas frases! E nesse post vou hierarquizar. O primeiro a ser comentado é o que mais gostei. 

Não sou um grande conhecedor de rap, mas tenho minhas preferências. E quando ouço um disco como o ‘Nó na orelha’, do rapper paulista Criolo, fico feliz. Aí não me importa se é rap, samba ou brega, estilos que estão presentes neste álbum. Importa a qualidade das músicas. Eu adorei esse disco! Letras ótimas, verdadeiras crônicas, e produção show!

Como tantos outros artistas, não somente pernambucanos, Karina Buhr é herdeira do manguebeat, mas faz um som com acento próprio. O sotaque pode enganar, já que nasceu em Salvador, mas aos 8 anos foi morar em Recife. Gosto muito desse disco, o ‘Longe de onde’. Letras ousadas, músicas fortes, voz delícia (rsrs).

 

O que dizer agora? Poxa, eu juro que queria gostar mais de Pitty. Acho que o único disco dela que gostei foi ‘Admirável chip novo’, seu primeiro. Depois disso, achei todos os trabalhos irregulares. Esse negócio de “voz da geração” não é para ela, mesmo que alguns queiram que seja. Ela não tem a força lírica nem o magnetismo de um Renato Russo ou uma Rita Lee. Para ser a “voz da geração” não basta citar autores clássicos em letras muitas vezes bobas. Esse ‘Agridoce’, feito em parceria com o guitarrista Martin, é mais um trabalho que me soou irregular, chato mesmo! Letras em francês, inglês, português, às vezes as línguas juntas (mais tarde em mandarim, quem sabe!), e músicas em clima de ‘descontração programada para vender’. Não gostei!